terça-feira, 14 de junho de 2011

Clorato de Potássio em reação violenta com doce.

O Clorato de Potássio reage violentamente com o doce.
Saiba o motivo...Antes veja o vídeo.




O Clorato de potássio é um composto químico que contém potássio, cloro e oxigênio, com fórmula K[ClO3]. Na sua forma pura, é uma substância cristalina branca. É o mais comum clorato com aplicações industriais, e é normalmente encontrado em laboratórios bem abastecidos.

É usado normalmente como agente oxidante, para produzir oxigênio (especialmente em laboratórios), como um desinfetante, em fósforos de segurança, e em explosivos e fogos de artifício.

Explosivos

O clorato de potássio foi um ingrediente chave em antigas espoletas (primers, cápsulas de percussão) de armas de fogo chamado então de clorato de potassa. Ele continua sendo utilizado nesta aplicação, quando não suplantado pelo perclorato de potássio.

Propelentes baseados em clorato são mais eficientes que a pólvora tradicional e são menos suscetíveis a serem prejudicados pelo contato com água. Entretanto, eles são extremamente instáveis na presença de enxofre ou fósforo e são muito mais dispendiosos.

Propelentes de clorato devem ser usados somente em equipamentos desenhados para eles; falhas em seguir esta precaução é uma comum fonte de acidentes. O clorato de potássio, frequentemente em combinação com fulminato de prata, é usado em pequenos fogo de artifício conhecidos (no Brasil) como "estalos" ou "traques".

Quando misturado com outros materiais, pode formar altos explosivos. O higroscópico e levemente mais fraco clorato de sódio é algumas vezes usado como um mais seguro e menos dispendioso substituto para o clorato de potássio. Na Segunda Guerra Mundial, misturas de clorato de potássio com plastificantes (tais como ceras) foram o mais comum tipo de explosivos plásticos usados, frequentemente preenchendo granadas e outras munições. Quando usado em explosivos como um oxidante, o explosivo é classificável como "baixo" devido a sua característica de queimar rapidamente mais do que propriamente explodir. Quando misturado com um plastificante, ele torna-se um "alto explosivo", requerendo uma cápsula de detonação para detonar-se adequadamente.

Clorato de potássio é também usado em algumas fórmulas de pólvora, geralmente substituindo o menos poderoso nitrato de potássio.

Clorato de potássio freqüentemente usado em laboratórios de ensino secundário e superior pra produzir oxigênio na forma de gás; ele é uma fonte mais barata que oxigênio pressurizado ou criogênico. Clorato de potássio irá facilmente decompor-se quando aquecido em contato com um catalisador, tipicamente o dióxido de manganês (IV) (MnO2). Então, ele pode ser simplesmente colocado em um tubo de ensaio e aquecido por um queimador. Se o tubo é equipado com uma rolha perfurada e um tubo de escoamento dos gases produzidos, o oxigênio será produzido e estará disponível na saída do sistema, para qualquer reação em que se o necessite. A reação é a seguinte:

2 KClO3(s) → 2 KCl(s) + 3 O2(g)

A realização segura desta reação requer reagentes muito puros e cuidadoso controle de temperatura. Clorato de potássio fundido é um oxidante extremamente poderoso e irá espontaneamente reagir com muitos materiais comuns. Explosões têm sido resultantes de clorato líquido que salpicou nos tubos de látex ou PVC de geradores de oxigênio laboratoriais, assim como contato do clorato de potássio com hidrocarbonetos das graxas e pastas de vedações e lubrificações das montagens com rolhas e outros. Impurezas no clorato de potássio mesmo podem também causar problemas. Quando trabalhando com uma nova amostra (partida, batelada) de clorato de potássio, é recomendável tomar uma pequena amostra (aproximadamente 1 grama) e aquecê-la fortemente em uma cápsula de porcelana aberta. Contaminações podem levar esta pequena amostra a explodir, indicando que esta partida de clorato deve ser descartada para o uso com este fim.


Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...